Domingo, 21 de Maio de 2006

Entre o imaginário e a realidade...

Talvez mais do que qualquer outro animal, a imagem poderosa da águia-real como símbolo da natureza, nunca passou despercebida ao ser humano. Desde a antiguidade que a águia-real é utilizada como representação de força, poder, nobreza, robustez e velocidade: o império romano utilizou a sua figura estilizada nos estandartes das legiões que conquistavam novos domínios; os Kirguiz, povo guerreiro que habita as estepes da Ásia Central, utilizam-na numa forma de cetraria única no Mundo, a caça ao lobo, apesar da evidente diferença de peso existente entre a ave e o mamífero; e mesmo recentemente, a imagem da águia-real é utilizada como símbolo de clubes desportivos e inúmeras marcas de produtos.



É uma ave territorial que vive sob a forma de casais monogâmicos, uma vez que a ligação entre o macho e a fêmea pode durar vários anos, sendo quebrada somente com a morte de um deles. Cada casal possui extensos territórios de vários quilómetros quadrados que utilizam para caçar e nidificar. Cada território possui um número variado de ninhos que o casal ocupa alternadamente todos os anos. Os ninhos de águia-real são bastante característicos e contam-se entre os maiores do mundo das aves, uma vez que formam grandes plataformas de ramos e troncos, situados normalmente em paredes rochosas, e que podem atingir mais de 3 metros de altura e possuir um peso de várias dezenas de quilos.
A águia-real, por ser predador do topo da cadeia alimentar (superpredador), torna-se muito sensível a alterações do meio, principalmente as provocadas pelo homem. Por estes motivos, é uma espécie-chave do ecossistema onde habita, tendo uma grande relevância como espécie-indicadora da qualidade ecológica.



Em Portugal, a águia-real é uma espécie residente, habitando as regiões mais montanhosas, inóspitas e desabitadas do interior. No nosso país, a águia-real é classificada como "Em Perigo de Extinção" pelo Livro Vermelho dos Vertebrados, estando a população nacional estimada em somente cerca de 50 casais. Todavia, além de alguns censos nacionais ou regionais, isolados no tempo, poucos estudos acerca da sua biologia e ecologia tem sido efectuados em Portugal.A pequena população residual de águia-real nas serras do Noroeste de Portugal, nomeadamente na Serra do Marão (com um único casal) e no maciço da Peneda-Gerês (com 3 casais estimados, mas possivelmente, com um número real inferior), por se encontrar isolada da restante população ibérica, por possuir um escasso efectivo nidificante e por enfrentar ameaças sérias, como a utilização frequente de veneno nos seus territórios, encontra-se numa situação bastante crítica. Além disso, esta população de águia-real tem características únicas no nosso país, uma vez que é o único local de ocorrência desta espécie num ecossistema de alta montanha.




Apesar do Parque Nacional Peneda-Gerês considerar a águia-real como estável nesta região, não existe qualquer monitorização desta população, além de se verificar uma diminuição nas observações de águia-real nos últimos anos, podendo significar um recente declínio populacional. A implementação de um aprofundado e contínuo programa de monitorização da população nidificante de águia-real nesta região montanhosa e de rígidas e eficazes medidas para a sua conservação (tais como a protecção dos locais de nidificação e fomento de potenciais espécies-presa), são assim de importância primordial se pretendermos continuar a observar o voo majestoso da águia-real contra as enormes escarpas existentes na região. Contudo, o desinteresse das entidades competentes e da maioria dos investigadores no estudo e conservação da águia-real em Portugal, nomeadamente na Peneda-Gerês são as maiores ameaças que esta espécie enfrenta.

publicado por delta às 23:33
| comentar
23 comentários:
De jackson douglas bulucas a 25 de Junho de 2007 às 17:57
o verdadeiro homem não é aquele que usa de sua força para conquista algo, mas sim aquele que com sua inteligencia e simpatia fazem da vida um mar de alegria, e aquele que preserva asua amizade, poi os dias passam e cada dia agente morre mais agente não vive agente morre vivendo.


De sherpas a 14 de Julho de 2006 às 16:47
... gostaria de publicar comentários meus, nos teus blogs... Delta!!!... Não consigo!!!... Talvez passe desta vez!!!... Lindo, como sempre!!!... Sherpas!!!...


De Nylda a 18 de Junho de 2006 às 15:22
Olá...
Vim fazer uma visita de aproveito para desejar um bom domingo e uma excelente semana.
Beijinhos


De lua a 18 de Junho de 2006 às 10:41
Não é por acaso que eu sou benfiquista ;)))Desculpem só agora vir ver o vosso novo espaço mas não tenho andado por aqui ultimamente como devem ter reparado. Bom domingo e beijitos apra as duas.


De minhoca a 16 de Junho de 2006 às 20:20
Mas o que raio se passa com vocês, afinal??? Já estão no sofá preparadas para ver Portugal-Irão? Mas isso é só amanhã...hoin, hoin, hoin!!!! Viva Portugal!!!!


De bitu a 12 de Junho de 2006 às 00:37
Passei correndo para deixar um beijo a ambas e desejar uma boa semana ...assim mato dois coelhos numa só cajadada...lol...bjkitas


De micas a 10 de Junho de 2006 às 20:23
ola vim agradecer por me terem posto nos vossos links e tambem que ja tenho um selo para ficar mais bonito em vez de tar la o meu nome ;Pp tambem venho dizer que foi retribuido i que o blog esta nos vevetados do meu =D
eu queria pedir desculpa mas eu nao li o vosso texto todo pois e um tanto ou quanto grande :$ mas continuo a dizer que estao a fazer um trabalho excelante de prevençao ;D bjs continuem...


De Nylda a 8 de Junho de 2006 às 12:58
Olá...
Encontrei o link deste site no blog do SIR.K e vim espreitar. Fiquei encantada muito interessante este blog. Vou voltar mas com mais calma.
Deixo o desejo de um dia feliz.
Beijos


De bitu a 2 de Junho de 2006 às 23:02
Sexta-feira à noite. Dia de visitar os amigos nos blogs, por isso, aqui estou visitando as amigas neste meu blog afilhado, do qual já "levei" um postinho. Beijokitas e bom fds


De Maria Papoila a 1 de Junho de 2006 às 23:41
Obrigada pela visita ao campo.
Ainda há águias reais nas margens do Rio Douro junto a S. João da Pesqueira.
Entre S. João da Pesqueira e Tabuaço uma igreja românica do século XI S.Pedro das Águias merece visita.
Vou levar o link do Terra Nostra.
Beijo


Comentar post

                                           
melhor visionado
em 800x600

 

 

 

 

online

 

 

 

 

.:Nós:.

Delta

animaleja

dojaya


 

 

 

 



 

 

 

 

 

homepagebannerstill.jpg

 

 

 

 

 

O albatroz precisa da ajuda de todos para sobreviver.

 

 

 

 

 

Digam ao governo Canadiano que já é tempo de acabar com esta matança anual. Assinem a petição.

 

 

 

 

 

 

 

O nosso selo

Terra Nostra

 

 

 

 

.:Links:.

 





Minhoca Súbtil

Dique do Castor
O dique do Castor


Grilinha
Grilinha


Rua do Beco



Visite a Panpanisca


Micas


Deu-me para isto

Meu Tesouro


O mundo da Gata Preta


papoila


Perfect Woman




Xanu


Eterna Parte de Mim



 

 

 

 

 

 

 

 

*posts recentes

* Está explicado...

* Homens de boa fé

* Os mabecos

* A Endogamia na Natureza

* Vai um copo?

* Carne para laboratório?

* Os dez anos da Dolly

* O elefante bebé (2ª parte...

* O elefante bebé

* Florestas do mar (I)

* Morcegos vampiros

* Amor entre morcegos...

* Afinal era tão fácil...

* Touradas e tradições

* Térmitas x Heitor

* O lince ibérico

* Entre o imaginário e a re...

* Os senhores dos ares

* Acabou

* Animais em perigo de exti...

 

 

 

 

*posts recentes

* Está explicado...

* Homens de boa fé

* Os mabecos

* A Endogamia na Natureza

* Vai um copo?

* Carne para laboratório?

* Os dez anos da Dolly

* O elefante bebé (2ª parte...

* O elefante bebé

* Florestas do mar (I)

* Morcegos vampiros

* Amor entre morcegos...

* Afinal era tão fácil...

* Touradas e tradições

* Térmitas x Heitor

* O lince ibérico

* Entre o imaginário e a re...

* Os senhores dos ares

* Acabou

* Animais em perigo de exti...

 

 

Autor - David Fajardo

 

 

 

 

Autor - MiguelAngelGuerreroGarcia

 

 

 

 

Autor - KikoArcasGarcia

 

 

 

 

Autor - Juan Antonio Ruiz Aladro

 

 

 

 

Autor - Francisco Ahedo

 

 

 

 

 

 

SAPO Blogs

*subscrever feeds