Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008

Homens de boa fé



Coimbra, 4 de Junho de 1992

Conferência internacional no Rio de Janeiro para defesa do ambiente físico. Do metafísico já ninguém cuida. E, do outro, mais valia que os delegados, em vez de discursos sujos, lavassem a hipocrisia nas águas ainda lustrais de Guanabara. O mundo está irremediavelmente perdido, porque é incorrigível a voracidade capitalista e a nossa obstinação consumista. Queremos, queremos, queremos. E os abnegados senhores do progresso fabricam, fabricam. Saturam, diligentes, os mercados do útil e do inútil. Atravancam o planeta das suas sedutoras mercadorias. Para tanto, esventram-no, derrubam-lhe as florestas, empestam-lhe os rios, os mares e os ares. Poucos dos que assistem ao colóquio estão ali de boa fé ou em nome dela. Quando a farsa terminar, nenhum petroleiro vai recolher ao estaleiro, nenhum alto forno deixará de arder, nenhum motor de rodar.
Contemporâneos passivos de uma civilização técnica e industrial, que nos serve o necessário poluído e o supérfluo esterilizado, já nem sequer nos indignamos de a ver acabar assim, pletórica e podre. Sarnamente, vamos vegetando intoxicados, na esperança secreta de que o dilúvio não acontecerá na nossa vida, e, se acontecer, haverá sempre na Arca da salvação lugar para mais um.

Miguel Torga (1907-1995)
"Diário", vol. XVI, 1993

publicado por delta às 05:25
| comentar | ver comentários (4)
Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2008

Os mabecos


 

mabecoO mabeco ou cão selvagem (Lycaon pictus) é um canídeo do continente africano. Distingue-se pela sua pelagem tricolor, com manchas negras, brancas e ocres distribuídas pelo corpo, e pelas grandes orelhas arredondadas e erectas que o tornam muito parecido com a hiena. Os mabecos são animais gregários que vivem e caçam em grupo. Embora não ultrapassem os 75 centímetros de altura, são caçadores muito eficientes, devido à sua resistência na perseguição das presas. Preferem as impalas e outros ungulados de porte médio. O seu habitat natural é a savana onde antes viviam em grande número. Actualmente, restam apenas seis milhares de exemplares, espalhados por vários países africanos. O mabeco está catalogado na Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas, pela perseguição movida pelos humanos, pela transformação e fragmentação dos seus territórios e pela propagação de doenças infecciosas como a raiva. Além disso, o seu tamanho torna-o muito vulnerável face a predadores maiores, como os leões, os crocodilos e os leopardos.

publicado por delta às 22:57
| comentar | ver comentários (2)

*posts recentes

* Está explicado...

* Homens de boa fé

* Os mabecos

* A Endogamia na Natureza

* Vai um copo?

* Carne para laboratório?

* Os dez anos da Dolly

* O elefante bebé (2ª parte...

* O elefante bebé

* Florestas do mar (I)

* Morcegos vampiros

* Amor entre morcegos...

* Afinal era tão fácil...

* Touradas e tradições

* Térmitas x Heitor

* O lince ibérico

* Entre o imaginário e a re...

* Os senhores dos ares

* Acabou

* Animais em perigo de exti...

 

 

 

 

*posts recentes

* Está explicado...

* Homens de boa fé

* Os mabecos

* A Endogamia na Natureza

* Vai um copo?

* Carne para laboratório?

* Os dez anos da Dolly

* O elefante bebé (2ª parte...

* O elefante bebé

* Florestas do mar (I)

* Morcegos vampiros

* Amor entre morcegos...

* Afinal era tão fácil...

* Touradas e tradições

* Térmitas x Heitor

* O lince ibérico

* Entre o imaginário e a re...

* Os senhores dos ares

* Acabou

* Animais em perigo de exti...

SAPO Blogs

*subscrever feeds